A Unidade do Social



Para Georges GURVITCH, as diversas Ciências Sociais (e Humanas) representavam «o estudo dos esforços colectivos e individuais mediante os quais a sociedade e os homens que a compõem se criam ou produzem eles mesmos. (...) O que caracteriza todas as Ciências do Homem — acrescentava aquele sociólogo — é que a realidade por elas estudada é uma só: é a condição humana considerada sob uma certa luz e tornada objecto de um método específico». Não será muito convincente, decerto, a definição das Ciências Sociais como «o estudo dos esforços colectivos e individuais...»; e o designar de «condição humana» a «realidade» estudada por todas as Ciências do Homem tem seguramente de entender-se em relação com todo um contexto de discussões filosóficas e humanísticas, no qual a Sociologia europeia se encontrou fundamente empenhada, desde antes da I Guerra Mundial até aos começos da década 60. Das citadas asserções de GURVITCH, retenhamos porém unicamente a ideia, que é correcta, de uma unidade sob a diversidade (ou diferenciação) das disciplinas, unidade que exprime a da própria realidade, que «é uma só».

Já algures notámos que, desde Marcel MAUSS, essa unidade do objecto real das Ciências Sociais começou a ser reconhecida com base na noção de fenómeno social total. Deixaremos, uma vez mais, para outra ocasião o esclarecimento aprofundado deste conceito, e fixaremos apenas que ele foi acolhido em reacção contra uma ideia, que antes (mas não por alguns dos grandes precursores da Sociologia, como A. COMTE e K. MARX) era comummente aceite: a de que a cada uma das Ciências Sociais caberia investigar um distinto campo do real, isto é: um conjunto de fenómenos reais perfeitamente separados ou separáveis de quaisquer outros. A Economia ocupar-se-ia da realidade económica (ou dos fenómenos económicos), a Sociologia da realidade social (ou dos fenómenos sociológicos), a Demografia, da realidade demográfica (ou dos fenómenos demográficos) a Ciência Política, da realidade política (ou dos fenómenos políticos), etc. Diferentes códigos de leitura do real, ou objectos científicos.

Cada Ciência Social, como toda outra Ciência, constrói, produz activamente, o seu próprio objecto científico, e que é construindo-o, e reproduzindo-o metodicamente ao longo do tempo, que historicamente se configura, singulariza e destrinça das demais. De facto, todo o conhecimento científico é construído, inclusive o saber cada Ciência sobre e com que objecto científico opera, depois de, dentro de si mesma, o haver elaborado. Este objecto teórico tem características diferentes do objecto real.

À concepção dos objectos científicos separados opõe-se agora a de que, no domínio do humano e do social, não existem campos de realidade e fenómenos que dessa forma se distingam uns dos outros, como se fossem compartimentos estanques: o campo da realidade sobre o qual as Ciências Sociais se debruçam é, de facto, um só (o da realidade humana e social) e todos os fenómenos desse campo são fenómenos sociais totais, quer dizer: fenómenos que — seja na sua estrutura própria, seja nas suas relações e determinações — têm implicações simultaneamente em vários níveis e em diferentes dimensões do real-social, sendo portanto susceptíveis, pelo menos potencialmente, de interessar a várias, quando não a todas as Ciências Sociais.

A fim de melhor clarificar este ponto, podemos tomar um exemplo. Seja, pois, o das classes sociais. As classes sociais têm sido objecto de inúmeras investigações sociológicas, como elementos estruturais e estruturantes basilares, que efectivamente são, de certo tipo de sociedades. Interessam, por conseguinte, à Sociologia.

Mas só à Sociologia? Na verdade interessam — ou deveriam interessar — a todas as Ciências Sociais. À Economia, por duas razões. De um lado, a estrutura das actividades e das relações económicas representa, numa dada sociedade, a matriz básica na qual as «situações de classe» se definem e a partir da qual as classes sociais se podem propriamente constituir. Do outro, «mecanismos económicos» tão relevantes como a formação de capital, o esquema da sua utilização, o ritmo de crescimento (e a composição) do produto nacional, a repartição dos rendimentos, o perfil da procura global, resultam de todo um jogo de acções individuais e colectivas, onde cada um dos agentes (indivíduos ou grupos) actua a partir de determinadas posições que, por sua vez, se inserem no (e dependem do) quadro geral das posições, relações e práticas sociais das diferentes classes.

Mas as classes sociais, quando se acham efectivamente constituídas, são forças sociais portadoras de interesses distintos e, quanto a algumas delas, de interesses antagónicos. Poderá, pois, entender-se, explicar-se, a estrutura e a vida política de qualquer sociedade onde forças dessa natureza actuem, se precisamente se abstrair da sua acção, dos seus interesses, dos seus projectos, da sua influência? É evidente que não, e portanto, ao menos por este motivo (mas há outros), as classes sociais também interessam à Ciência Politica.

Interessam igualmente à Demografia, uma vez que as determinantes sociais (natalidade, mortalidade, dimensão média das famílias, idade média em que os indivíduos se casam, etc.) de que dependem a composição e a evolução quantitativas das populações, acusam sensíveis diferenças de classe para classe social.

O que se diz da Demografia, pode dizer-se da Geografia Humana, pois que as classes sociais não se distribuem uniformemente por todo o território ocupado por uma sociedade. A estrutura das classes não é a mesma nas grandes metrópoles, nas pequenas cidades e nas zonas rurais — e varia sensivelmente com as características geo-ecológicas destas últimas, ao mesmo tempo que as influencia de modo muito significativo. Em suma: é perfeitamente possível elaborar uma geografia das classes sociais.

Quanto à Psicologia Social, sabe-se por exemplo que as atitudes, as opiniões, os preconceitos colectivos (sobre temas políticos, sociais, religiosos, morais, raciais, de educação, etc.) que nos indivíduos se manifestam, são em larga medida determinados pela classe social a que pertencem (ou a que aspiram pertencer). Logo, uma Psicologia Social cientificamente válida não pode abstrair da existência de classes sociais.

De resto, nem mesmo a Psicologia individual as pode ignorar. O desenvolvimento psíquico (intelectual e afectivo) do indivíduo e as suas sucessivas reestruturações psicológicas desde a primeira infância não decorrem de uma dinâmica puramente interna, mas de uma permanente interacção com o meio físico, social e cultural. Sendo assim» as diferenças de meio que se encontram associadas a diferenças de classe social intervêm naqueles processos e têm inegáveis efeitos, não somente sobre os níveis e formas de desenvolvimento atingidos pelos indivíduos nas diferentes idades porque vão passando, mas também sobre a estruturação definitiva da sua personalidade e dos seus mecanismos psicológicos (de tal modo que certos psicólogos, como Jean-Claude FILLOUX, admitem a necessidade de se utilizar, em Psicologia, o conceito de «personalidade de classe»).

No que se refere, finalmente, à Linguística, é de supor que não será necessário insistir em que é precisamente ao nível da linguagem que se podem aperceber algumas das mais visíveis expressões das diferenças entre as classes sociais.

Nas Ciências Sociais é necessário um intercâmbio entre os saberes entre as diferentes disciplinas – designado interdisciplinaridade - resultante da complementaridade do conhecimento, para melhor explicar os fenómenos sociais na sua totalidade.

Texto extraído e adaptado de SEDAS NUNES, Questões preliminares sobre as Ciências Sociais Backup

  1. Relacione o conceito de Fenómeno Social Total com a unidade do social.

  2. Distinga objecto real de objecto científico.

  3. Como se justifica a criação de diversas Ciências Sociais se o seu objecto real é o mesmo.

  4. Recorrendo ao exemplo do desemprego, mostre que da separação dos saberes em diversas disciplinas, decorre necessariamente a interdisciplinaridade como atitude metodológica.


0 Responses to "A Unidade do Social"

Enviar um comentário